sexta-feira, agosto 12, 2016

O Equilíbro da Família

A cada dia que passa vejo o quão importante é ter um bom equilíbrio familiar, onde tudo começa (no meu caso) na escolha de uma esposa que agregue, que te traga paz e seja sua parceira em todos momentos. Mês que vem vou completar 18 anos com minha esposa, não comemoro data de casamento, pois na realidade minha vida começou a mudar positivamente desde o dia que à conheci em 1998. Depois que encontrei esse equilíbrio minha vida mudou para melhor, e com vários “upgrades”, que foram minhas filhas Yanne e Ysis.


Estou tocando neste assunto pois ontem durante uma reportagem com o Phelps ele disse: “nunca vivi um momento tão bom na minha vida, tenho um filho, uma linda esposa que me ama, tenho todos que me amam ao meu redor e faço o que gosto que é nadar – tenho paz.” Ontem notei o quanto o Phelps se emocionou durante o recebimento da sua 4 medalha de ouro seguida (22 no total até agora), e pensei: “poxa, esse cara já viveu esse momento 22 vezes e ainda está chorando ao ouvir o hino? Tem algo a mais aí.” E não deu outra, depois do hino a reporter fez justamente essa pergunta e ele disse: “é que naquele momento muita coisa passou na minha cabeça, o que vivi até agora, os problemas e como é bom estar aqui e vivendo este sonho.”

Aqui estamos falando de um cara que antes das Olimpíadas de Londres estava totalmente desequilibrado, brigando com o treinador, faltando treinos e fazendo besteira na vida pessoal. Mesmo assim ganhou seis medalhas em Londres, porém no mesmo ano (2014) a falta de estabilidade emocional ainda tomava de conta dele, e ele foi pego pela polícia dirigindo bêbado. Em uma entrevista 100 dias antes das Olimpíados do Rio ele disse: “naquele dia que fui preso, minha mãe apenas ficou feliz de eu estar vivo, pois ela estava vendo que eu estava indo para um caminho sem volta.” Phelps ficou 45 dias em Rehab (Reabilitação) e enquanto estava lá, um amigo da NFL (Ray Lewis) o presenteou com um livro chamado “The Purpose Driven Life”, onde ele literalmente disse: “não tenho como lhe agradecer, esse livro salvou minha vida.” Meses depois ele pediu a noiva em casamento e em seguida teve um filho. Pronto, nascia um novo Phelps!


Neste pequeno trecho temos quatro grandes fatos:
  • O suporte incontestável da mãe (já que o Pai saiu de casa quando ele tinha apenas 9 anos)
  • Amigos de verdade que vão aparecer não apenas para celebrar vitórias, mas sim nos momentos mais necessários (durante as derrotas)
  • As palavras que ele leu no livro (que não quero entrar no âmbito de religião, mas que tal livro basicamente fala de Deus)
  • A construção de uma família, uma esposa que apoia e um filho....que é o maior presente que qualquer pessoa pode ter na vida
A vida muitas vezes parece complicada, mas quando observamos que com estes quatro fundamentos podemos construir uma base para alcançarmos nossos objetivos, as coisas ficam menos complicadas. Sem uma base sólida, onde estes quatro pilares existam (e se você é ateu tudo bem, pois você vai dispensar o terceiro pilar por uma questão de crença – e eu respeito sua opinião, desde que respeite a minha), a vida fica um pouco sem sentido e por isso mesmo uma pessoa de sucesso como o Phelps, passou por momentos onde ele perdeu a paixão por fazer o que ele mais ama, que é nadar....pois na época também perdeu a paixão por viver, que é algo incrível que temos o privilégio de fazer todos os dias.

Um comentário:

Guilherme Campion disse...

Excelente, obrigado pelo texto!